algo sobre Enxaqueca por Marlus Marconcin e Su Kardosh

Há anos venho tratando enxaquecas e dores de cabeça com psicoterapia corporal.

A base desta experiência é que eu sou o meu corpo. O limite entre eu e o mundo é o meu corpo. As emoções estão diretamente relacionadas aos órgãos do corpo. Essa é uma informação importante para quem tem dor. Por isso, o autoconhecimento através do corpo é o caminho terapêutico que escolhi para trabalhar no psicossomático. Meu corpo sou eu. A minha casa emocional, psicológica é o meu corpo.

Desde o momento da concepção até os cinco anos de idade formamos uma matriz e o produto disto é a criança que fomos e os adultos de hoje. Adulto sofre com os bloqueios que a educação e formação imperfeita o levaram a ter. Obviamente, nossos pais não tiveram a oportunidade de serem melhores para ter melhores filhos, porém temos esta oportunidade!

Como neutralizar as dificuldades e problemas hoje, seqüelas deste passado?

Bebês e crianças não sabiam como se defender de desprazer e medo que sofremos. Experimentamos quando crianças através do corpo e no corpo, hoje adulto desbloquearão pelo mesmo caminho!

Cada órgão corresponde a uma emoção, mas não existe órgão correspondente para a vergonha e para a culpa. Exemplo, pulmão – tristeza/alegria; Intestino – raiva; rins é a insegurança ou medo da vida.

Como se manifesta então a culpa? Através da enxaqueca.

Tenho vivido uma parceria muito proveitosa com Marlus Marconcin, médico, Coach de Saúde com 20 anos de Pediatria. Marlus constata que pacientes descrevem doença ou sintoma através de metáforas. Exemplo: “Sinto uma dor no ombro como se tivesse que carregar um elefante.” “Minha cabeça está para explodir.” Ou algo nodoso, apertando ou queimando. E elas desempenham um papel vital no processo de cura.

O terapeuta reconhecer as metáforas e aceitá-las como uma descrição acurada da doença preenche aquelas “lacunas na comunicação” comumente existente na comunicação médico/paciente.

A terapia da “Linha do Tempo” é uma indicação excepcional da relação doença/emoção. É uma metáfora construída pela mente como resultado de sua experiência de vida. No caso específico da dor de cabeça observamos que comumente os clientes descrevem sua linha do tempo como se estivesse sentindo ou visualizando memórias de seu passado ou seu futuro acima de sua cabeça.

Qualquer peso que carregarmos constantemente na cabeça resultará numa dor, não importa se seja um saco de farinha, lata d’água ou memória da vida.

Quando trabalhamos no sentido de retirar o peso observamos que diminui sensivelmente a dor, muitas vezes desaparecendo.

Conclusão

Metáforas e símbolos são maneiras naturais de descrever sintomas e saúde. Prestemos atenção às metáforas que vêm à nossa mente ao sentirmos algum sintoma, este importantíssimo elo na solução do problema. Elas podem ser idiossincrásicas, mas não são aleatórias. Contêm uma organização que representa o sistema mente-corpo que as produziu.

Observe os novos caminhos que a psicoterapia corporal su kardosh) e da linha do tempo (Marlus Marconcim) traz para os casos de enxaqueca.
Anúncios